A estratégia aplicada no contexto VUCA

 

VUCA é a sigla popular para definir um ambiente volátil, incerto, complexo e ambíguo. A expressão surgiu em meados de 1980, no US Army War College, uma instituição educacional do Exército dos EUA em Carlisle, na Pensilvânia. A interpretação da US sobre a guerra era uma caracterização de várias décadas de estabilidade da Guerra Fria. No entanto, com a queda do Muro de Berlim e a dissolução do Bloco Soviético, essa estabilidade cedeu espaço a um ambiente VUCA, onde a estratégia militar precisava se adaptar.

Assim como muitas coisas que migraram da esfera militar para a empresarial, o VUCA se tornou extremamente popular. E, de fato, o ambiente de negócios realmente é VUCA, e é por isso que toda empresa precisa de uma estratégia para maximizar suas chances de prosperar nesse cenário, ao invés de pensar nesse ambiente como estável, conhecido, simples e claro, porque isso pode acabar levando ao fracasso se realmente não for dessa forma – a pandemia de Covid-19, seguida pela invasão da Rússia a Ucrânia, é um exemplo cruel e atual.

No podcast Sinapses, os fundadores da Sandbox, Daniel de Tomazo e Felipe Senise, abordam como o mundo VUCA se funde com a estratégia, destacando qual é o valor dela nesse cenário dentro do mundo dos negócios, e o que faz sentido ou não nos ambientes de volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Vamos mergulhar nesse episódio e destacar mais sobre esse assunto no post de hoje.

Qual o valor de fazer estratégia em um mundo tão VUCA?

O termo basicamente traz à tona que o mundo é uma bagunça, uma muvuca. Não sabemos onde as coisas vão, o que era antes ‘X’ agora é ‘Y’, e assim por diante, porque desde que o mundo é mundo, as coisas mudam. A aplicação imediata para estratégia nesse cenário é de que ela fica suscetível a mudanças toda hora, ao contrário do que ela realmente é por natureza, afinal, estratégia é algo sólido, menos imutável, estável. Pode-se fazer ajustes, mexer em coisas, mas ela fica parada.

Mas, então, é possível fazer estratégia no mundo VUCA? Há valor na estratégia nesse universo de mil e uma transformações?

Estratégia tem exatamente tudo a ver com VUCA. Se tudo é tão sem sentido nesse ambiente, a necessidade de pararmos para pensar é maior. E esse é o principal valor de se fazer estratégia. Você pensa em incerteza, toma decisões no ambiente de mudanças, avalia aquele cenário para ter um conjunto de escolhas.Ou seja, se existe incerteza, volatilidade, ambiguidade, então existe estratégia.

O problema não está no VUCA, está na confusão entre estratégia e planejamento 

A confusão da estratégia e do planejamento pode fazer o VUCA parecer um problema para as empresas. A diferença entre planejamento e estratégia não é óbvia, por isso, acaba ficando tudo meio confuso. A estratégia parece perder valor no mundo que muda, e se não muda a estratégia, perde valor com planejamento.

Quem acredita que a estratégia precisa mudar, segundo o estrategista Roger Martin, está cometendo o erro de supor que a estratégia é planejamento. Este não é o caso. Estratégia é e sempre foi sobre fazer um conjunto integrado de escolhas que determinam onde a empresa deve atuar e como deve vencer lá. E o VUCA não significa não fazer escolhas. Ao contrário, ele desafia os negócios a isso. Do outro lado, adaptabilidade e flexibilidade tem mais a ver com planejamento do que com estratégia

Ao apenas seguir um planejamento no mundo VUCA, que não muda de jeito nenhum, se perde valor. E isso não tem NADA a ver com estratégia. A estratégia é sobre tomar decisões, pensar no que é melhor, buscar informação, testar… isso se fortalece muito no contexto VUCA.

Ainda segundo Roger Martin, o mundo sempre foi VUCA. As pessoas sempre se sentiram assim de alguma forma em relação ao futuro. E a estratégia sempre foi útil na sensação de incerteza. Aliás, é ali que a estratégia ganha espaço, mitigando a incerteza, fazendo estratégias mais calculadas. Estratégia existe porque existe VUCA. Por isso, não esqueça: não confunda estratégia no mundo VUCA com planejamento no mundo VUCA. Assim, provavelmente você terá mais sucesso nas suas tomadas de decisões em meio às transformações deste cenário.

V, U, C e A são coisas diferentes. E você precisa entender isso

Você precisa saber que, por mais que o termo VUCA esteja junto, cada letra significa uma palavra diferente, que podem surgir juntas, mas também podem ser ambientes bem diferentes. Não vamos viver VUCA todo dia. Às vezes é só V, outras só U, ou C ou A. E cada uma dessas situações exigem abordagens diferentes para se lidar.

Separar cada uma das vogais vai ajudar muito mais do que atrapalhar um negócio, porque existirá menos chance de cair no hype do VUCA. As características pedem respostas diferentes no ponto de vista de pensamento estratégico. Por exemplo:

  • Se você vive uma incerteza, então você investe em informação.

  • Mas, se está no ambiente da ambiguidade, é legal experimentar, criar novas experiências, ver como as coisas funcionam.

  • Na volatilidade, você pode criar um colchão de preparação para mudanças

  • Em um cenário complexo, use o que você sabe sobre aquilo para descomplicar.

Antídotos para reagir contra o mundo VUCA

O mundo é assim – VUCA – em grande medida, mas a ideia de como a gente reage a esse conceito pode ser ruim se não carregar consigo alguns bons antídotos, lutando um pouco contra esse universo. Veja algumas dicas:

Lide com as emoções

Não trave diante do VUCA – até porque é muito fácil travar numa situação dessas. Pense no valor que há em fazer estratégia em um mundo que muda tanto. Muitas pessoas acabam reagindo de forma adversa diante da situação, no sentido de “se tudo está mudando, não vou fazer nada”. É aí que está o erro, demonstrando que o indivíduo não consegue lidar emocionalmente com isso. Sim, é difícil, é desafiador, mas está tudo bem, ok? Tome as melhores ações com base no que você sabe e tem para sair disso.

Aposte no que você sabe

Pare de fantasiar um mundo com coisas das quais você não sabe. Diariamente, lidamos com uma grande taxa de incerteza, inerente ao mundo em que vivemo s, e a fazer estratégia. Por isso, você precisa investir no que sabe, investigar, pegar informação, lidar com o que pode fazer e não o que não sabe, porque isso rouba a sua energia totalmente e tende a te levar a tomar más decisões. Mantenha uma âncora de racionalidade. A rua tem neblina? Olhe para o chão, não para o horizonte, e assim você vai saber para onde você está andando e que direção tomar.

Use e abuse de dados

Para lidar com cenários desse tipo (VUCA), é preciso investir em dados. Apostar no que se sabe é apostar nos dados, porque eles nos dizem coisas concretas e nos dão a âncora de razão para ficarmos estáveis diante dos cenários. Os dados que temos na mão nos ajudam a tomar as melhores decisões em tempos de incerteza, ambiguidade, complexidade e volatilidade.

Desenhe cenários e use lógica de algoritmos 

Os dados, em conjunto com regras do VUCA, têm o poder de predizer ações futuras. Se aproveitarmos a inspiração do algoritmo para desenhar cenários, conseguiremos antecipar alguns movimentos para lidar com a incerteza, desenhando alguns possíveis caminhos e ações de contingência para cada um deles. É o famoso scenario planning: criar cenários e algumas soluções para cada um deles.

LEIA MAIS: SCENARIO PLANNING: GERENCIE NEGÓCIOS EM PERÍODOS DE CRISE

Aposte em ciclos mais curtos

Se você planejar coisas muito à frente, a chance do cenário mudar radicalmente é muito maior. Investir em ciclos de agilidade, ou seja, mais curtos, é essencial para reagir rapidamente e decidir com qualidade sem ficar preso a planos.


Um dos grandes desafios, no final das contas, é construir uma estratégia bem feita, do jeito que precisa ser feito – mas rápido. No curso Estratégia Ágil, da Sandbox, você aprende a mergulhar nas técnicas e metodologias que podem agilizar e acelerar o seu desenvolvimento estratégico, na teoria e na prática. Inscreva-se já!